Matuto

           Ser ou não ser,  intelectual ou um total desinformado? Você alguma vez já se fez essa pergunta?

           Eu já e cheguei a seguinte conclusão:

           Quanto mais informado, mais se tem conhecimento dos perigos da vida. Então acaba se tornando refém do medo. Porém quem nada sabe, tem limites restritos, em consequência , seus sonhos  não vão além de continuar vivendo seu dia a dia comum apenas, com isso desconhece frustrações e não se decepciona nunca .

           Feliz eu achava, que seria  aquele que tinha tempo de fitar o céu, se distraindo em ver todos os carneirinhos que as nuvens formam e por acreditar ser  lá a morada dos anjos.

            Constatei que não era bem assim,  eu desconhecia o fato de  que quem, era feliz e não sabia ,  aprendeu que  apontar as estrelas  lhe daria verrugas. Esse conhecimento começa a fazer dele um ser parecido conosco,  o saber lhe tira o encanto e ainda ele descobre que do céu também vem relâmpagos e trovoadas. 

          Olhava o mar  esperando ver  uma sereia, mas como nós sabemos existe ,  “o de repente”  e pra ele veio em forma de tubarão, pronto, brincar de gangorra no vai e vem das ondas o fez desistir da brincadeira e pra piorar, lhe ensinaram que ficar tomando sol dava câncer, tudo começa a perder a graça ele se fecha em si mesmo sem coragem de aventuras e sua alma de criança bate em retirada.

         Rir por nada e por tudo passou quase ser pecado mortal, exatamente porque ele com mais conhecimento,  foi ficando mais cético e por fim um chato, assim como nós estamos hoje.

          Aí, o jeito foi aprender um pouco mais até saber,  que tomando fluoxetina aquela felicidade de outrora voltaria, ilusão efêmera e o fez se tornar mais um mulambo neste mundo povoado por tantos loucos.

        Ele não percebeu, mas eu  fico na certeza,  que bom mesmo teria sido, que ele continuasse aquele matuto ingênuo mas completamente feliz.

         

        

           

Veja também